Barra de vídeo

Loading...

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

5 dicas para construir um trapézio maior

 

A busca por um trapézio maior, muitas vezes passa por dificuldades. Veja neste artigo estas 5 dicas para construir um trapézio maior!

treino trapézio dicas melhores resultados
De um modo geral, todos nós apresentamos algum desbalanceamento muscular, que na maioria das vezes, é oriundo de problemas de treinamento ou de postura. Desta maneira, é muito importante que você tenha alguma pessoa com um olhar mais técnico para visualizar estes desbalanceamentos e corrigi-los. Isso gera não apenas um shape mais bonito, como também, previne lesões. No caso específico do trapézio, vemos muitas pessoas com problemas de desbalanceamentos musculares.
Neste sentido, é muito importante que você tenha um bom desenvolvimento do trapézio, pois este é um músculo fundamental para o alinhamento escapular, para o desenho em V dos dorsais e para a manutenção da boa postura. Como ele atua em diferentes movimentos, como elevação dos ombros, adução das escápulas, rotação superior das escápulas e depressão de ombro adução das escápulas, rotação superior das escápulas e depressão de ombro e em movimentos da cabeça, existem diferentes maneiras de trabalha-lo.
Aqui é importante salientar alguns pontos. Existem pessoas com fatores genéticos favoráveis, que desenvolvem o trapézio facilmente. Estas, devem tomar cuidado com seu treino, pois o desenvolvimento excessivo também causa desbalanceamentos, caso não haja similaridade nos músculos próximos.
Veja agora algumas maneiras de construir um trapézio maior!

5 dicas para que seu trapézio seja maior e mais forte!

1. Integre-o com o treino de ombros:Esta não é uma regra geral, mas que na maioria dos casos pode ser bastante proveitosa. Pelos movimentos já citados, o trapézio atua diretamente no treino de dorsais, onde os movimentos de adução das escápulas são comuns. Mas como este é um músculo que atua em diferentes movimentos, ele pode ser usado no treino de ombros também, o que faz com que a sua utilização seja mais acentuada.
De maneira geral, conseguimos atuar no trapézio de outras formas no treino de ombros. Por exemplo, no movimento de elevação lateral, a partir do momento em que seus ombros passam de 90°, ocorre inevitavelmente uma depressão dos mesmos. Com isso, se na elevação lateral você aumentar a amplitude, terá um trabalho muito também do trapézio. Com isso, quando fizer os exercícios específicos, já terá mais vascularização e microlesões teciduais. O resultado, será potencializado! Outro movimento que usa bastante o trapézio é o desenvolvimento e suas variações.

2. Use uma cadência mais controlada:
De modo geral, os movimentos que são específicos para o desenvolvimento de trapézio, como o encolhimento de ombros, não nos dão muitas possibilidades em termos de amplitude. Neste sentido, é muito importante tomar cuidado com a cadência destes movimentos. Se a cadência for muito rápida, além de perder intensidade, pela utilização acentuada de energia elástica, ainda teremos um menor desgaste, pois inevitavelmente, haverá perda de qualidade na execução.
Não que você precise treinar em super-slow mas no geral, uma cadência de 2-2 é o mais indicado (2 segundos na fase concêntrica e 2 na fase excêntrica). Em alguns casos, isso pode até não modificar muito o treino, mas no geral, isso tende a causar um maior desgaste, sem que seja necessário usar cargas elevadíssimas.
3. Frequência controlada:Não tem jeito, em praticamente todos os movimentos de membros superiores, haverá algum trabalho do trapézio, seja estabilizando as escápulas, ou auxiliando nos movimentos do deltoide. Desta maneira, este é um músculo bastante resistente, onde em uma grande parte dos casos, temos alta incidência de fibras lentas. Desta maneira, é muito importante treinar ele com mais frequência.
Em uma divisão de treino mais tradicional, podemos ter movimentos de trapézio nos dias de costas e de ombros. Neste caso, é muito importante ter um bom controle da carga total de trabalho, já que este é um ponto fundamental para o desenvolvimento deste músculo!
4. Use estratégias de choque:Esta dica aqui vale apenas para pessoas bem treinadas e que estão com dificuldades de desenvolvimento. Se este for seu caso, veja o que pode ser feito. Vamos delimitar o treino de trapézio ao tradicional encolhimento de ombros. Você deverá treinar este músculo durante 5 dias seguidos, com intensidade elevada e sem nenhum dia de descanso. Isso causará um stress elevadíssimo neste músculo. O restante de seu treino continua acontecendo naturalmente (sabendo que treinos como ombros e costas serão prejudicados pelo cansaço muscular do trapézio).
Depois disso, mantendo uma dieta muito bem regrada, você passará 7 dias sem treinar este músculo de forma direta (tomando cuidado com o treino de ombros, para que haja pouca ou nenhuma solicitação deste). Com isso, você terá uma boa supercompensação e uma maior possibilidade de ganhos substanciais. Lembrando que isso é válido apenas para pessoas bem treinadas e com bom acompanhamento profissional. Sua dieta é fundamental neste caso!
5. Corrija sua flexibilidade:A falta de flexibilidade em determinados músculos pode causar desequilíbrios musculares que geram menor potencial hipertrófico. No caso do trapézio, muitas vezes temos problemas de desenvolvimento muscular justamente por falta de flexibilidade em músculos como a porção clavicular do peitoral maior ou dos deltoides. Isso porque será gerada uma resposta inibitória em determinados músculos que auxiliam nos movimentos, limitando os movimentos e a produção de força. Por isso, se está com problema de desenvolvimento nos trapézios, tome cuidado com a sua flexibilidade, pois ela pode ser a causa de seus problemas!
Corrigir desequilíbrios musculares é um desafio bastante complexo e que precisa de um olhar técnico apurado. Muitas vezes, seu trapézio não se desenvolve por algum desequilíbrio em outro músculo acessório. Por isso, em muitos casos, é interessante uma boa avaliação de um fisioterapeuta, que será capaz de fazer isso. Além disso, o treinador também precisa fazer a avaliação funcional, para que possa ser possível detectar estes itens que comprometem seu desenvolvimento.
E por fim, treine de maneira correta e equilibrada. Este é muitas vezes, um dos motivos que fazem com que certos músculos não se desenvolvam. Excesso de carga, pouca amplitude e descanso inadequado são os motivos mais comuns para este problema. Bons treinos!  

Nenhum comentário:

Postar um comentário